Você está aqui: Página Inicial > Área do Servidor > Entrevistas > Jânio Tavares Leite

Notícias

Jânio Tavares Leite

Professor Jânio Tavares compartilha nesta entrevista sua experiência profissional nas aulas de teatro no Campus Picos, comprovando que um docente pode ir além do ensino da disciplina de Artes e contribuir de outras maneiras para a formação dos seus alunos.
publicado: 23/01/2019 11h14 última modificação: 23/01/2019 11h20

Natural de Juazeiro do Norte (CE), o professor Jânio Tavares Leite se interessou pelo teatro durante o período escolar. Ele fez parte do TECO – Teatro do Colégio Objetivo – onde montou com a direção da professora Joaquina Carlos, as seguintes peças: “A Beata Maria do Egito” de Raquel de Queiroz; “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto; “O Auto da Compadecida” de Ariano Suassuna; “Romeu e Julieta” de William Shakespeare etc.

Formado em Artes Cênicas pela Instituto Federal do Ceará (IFCE), em Fortaleza, e especialista em Arte-Educação pela mesma instituição, Jânio Tavares compartilha nesta entrevista ao Portal do Servidor um pouco sobre sua experiência profissional e principalmente as aulas de teatro, comprovando que um professor pode ir além do ensino da disciplina e contribuir de outras maneiras para a formação dos seus alunos.

1 – Como começou sua história no IFPI?

Em maio de 2011 tem início a minha trajetória no Instituto Federal do Piauí, assumi como professor de Artes do Campus de São Raimundo Nonato, porém em agosto do mesmo ano me transferi para o Campus Picos. Ainda em 2011, criei com alunos o grupo Retalhos de Teatro, com o objetivo de estudar e montar texto de autores clássicos e contemporâneos, entre eles posso destacar: “Romeu e Julieta” de William Shakespeare – encenado em 2013; “Auto da camisinha” de José Mapurunga – interpretado em 2015; “Farsa da boa preguiça” de Ariano Suassuna – executado em 2016 e “Quem são eles? Quem eles pensam que são” criação coletiva colaborativa – encenado em 2017.

Atualmente, o grupo Retalhos de Teatro está em processo de montagem da peça “O pagador de promessas” de Dias Gomes com estreia prevista para dezembro de 2018.

2 - Qual é a importância do teatro para a disciplina de Artes?

Leciono a disciplina de Artes e ofereço uma oficina de teatro como atividade extraclasse no campus Picos. Creio que o teatro também contribui para a disciplina de português, pois ao se montar uma peça teatral faz estudos sobre o texto e entramos em contato com as obras de diversos autores da língua portuguesa.

3 - Como o senhor monta as peças de teatro do campus Picos?

Começamos com exercícios de concentração, percepção corporal, energização e memória emotiva. Depois da escolha do texto estudamos as suas unidades de ação, seu contexto histórico e tentamos entender cada personagem para dividir entre os atores, depois disso cada ator estuda o seu personagem e o cria corporalmente. Só após esses estudos é que começamos com a marcação da cena e as visualidades do espetáculo (cenário e figurino).

4 - Como a sua formação acadêmica contribuiu para aprimorar os seus conhecimentos sobre teatro na sua prática docente?

Sou formado em Artes Cênicas e desde o ensino básico me envolvo com a cena teatral, creio que essa prática possibilita uma melhor desenvoltura e domínio da sala de aula.

5 - Em sua opinião, quais são as contribuições do teatro na formação e desenvolvimento do aluno?

Estimula a percepção de si mesmo e do outro por um meio da expressão corporal. Conscientiza sobre a importância do trabalho criativo em equipe. Desenvolve o senso de responsabilidade e o espírito crítico. Além de aprimorar a capacidade criativa e a autoconfiança.

6 - Há alguma dificuldade em criar e montar as peças de teatro na escola?

Creio que uma das maiores dificuldades é que o aluno participa do teatro apenas como uma atividade complementar, dentro de uma grade curricular extensa de um curso técnico concomitante com o médio, ficando difícil para ele se dedicar com afinco no processo de montagem teatral.

7 - Em sua opinião, é preferível que as peças escolares sejam criações coletivas dos alunos ou é melhor trabalhar com as peças de teatro de autores já conhecidos?

Ambas as opções são válidas, o importante é ir para cena com algo interessante para ser dito e que a cena esteja bem ensaiada, com atores à vontade no que estão fazendo. No campus Picos trabalho com texto de autores, pois o objetivo é fazer os alunos entrarem em contato com dramaturgias clássicas e contemporâneas.

8 - Quais os eventos (festivais) que o senhor e seus alunos já participaram na área de teatro?

Os eventos que participamos são eventos internos da instituição (Mostra Cultural, Integra I e II etc.), no nosso campus ou em outros campi. Na cidade de Picos sempre participamos do SALIVAG – Salão de livros do Vale do Guaribas.